Tema de Redação: Consequências dos hábitos de consumo de mídia pelos brasileiros

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema ”Consequências dos hábitos de consumo de mídia no Brasil”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO 1

TV é o meio preferido de 63% dos brasileiros para se informar, e internet de 26%, diz pesquisa

Preferência por TV chega a 89% se levadas em conta as duas principais opções das pessoas. Pesquisa foi encomendada pela Secretaria de Comunicação do governo e realizada pelo Ibope.

Quase 90% dos brasileiros se informam pela televisão sobre o que acontece no país, sendo que 63% têm na TV o principal meio de informação. A internet está em segundo lugar, como meio preferido de 26% dos entrevistados e citada como uma das duas principais fontes de informação por 49%. Os dados são da “Pesquisa Brasileira de Mídia 2016 – Hábitos de Consumo de Mídia pela População Brasileira”, divulgada nesta terça-feira (24) pela Secretaria de Comunicação Social do governo.

 
Tabela de pesquisa sobre mídia mostra TV como meio preferido pelo brasileiro para se informar. — Foto: ReproduçãoTabela de pesquisa sobre mídia mostra TV como meio preferido pelo brasileiro para se informar. — Foto: Reprodução

Tabela de pesquisa sobre mídia mostra TV como meio preferido pelo brasileiro para se informar. — Foto: Reprodução

A pesquisa foi realizada entre 23 de março e 11 de abril de 2016 e ouviu 15.050 pessoas com mais de 16 anos de todo o país. O objetivo do estudo é conhecer os hábitos de consumo de mídia da população brasileira para a elaboração de comunicação e divulgação do governo federal. Essa é a terceira edição da Pesquisa Brasileira de Mídia, que começou a ser realizada em 2013.

Dos entrevistados que assistem TV, 77% afirmaram que fazem isso todos os dias. O número é maior do que os obtidos em pesquisas anteriores. Em 2014, 73% disseram ter o hábito de assistir televisão diariamente. Em 2013, 65% afirmaram o mesmo.

Segundo o relatório divulgado neste ano, tanto durante a semana quanto nos finais de semana, os entrevistados veem, em média, de 3 a 4 horas de televisão por dia. Mais da metade dos entrevistados que assistem TV disseram que confiam sempre ou muitas vezes nas notícias veiculadas por esse meio.

Segundo o relatório, a emissora mais vista pelos que responderam à pesquisa é a TV Globo, mencionada por 73% dos entrevistados. Em seguida, estão o STB (36%) e a Record (32%).

Entre os entrevistados que afirmaram se informar pela internet, 50% disseram acessar diariamente, e 91% pelo celular. Tantos nos dias de semana como nos finais de semana, a média de tempo de acesso fica um pouco acima de 4h30 diárias.

Rádio, jornais e revistas

Depois da TV e da internet, aparecem como principais meios de informação citados pelos entrevistados o rádio (7%) e os jornais (3%). A opção “revista” teve 0% de menções como primeira fonte de informação.

Entre quem mencionou mais de uma mídia, o rádio apareceu em 30% das citações, e os jornais, em 12%. As revistas ficaram com 1% das menções nesse caso.

Sobre a frequência de uso desses meios, cerca de dois em cada três entrevistados disseram ouvir rádio – a metade deles afirmou fazer isso todos os dias. Em média, os brasileiros ouvem três horas diárias de rádio, entre segunda e sexta-feira. Como o número de emissoras é muito grande e há diferentes estações em cada região, nenhuma teve mais de 2% de citações na pesquisa.

Um em cada três entrevistados disse ler jornal. A maioria prefere consultar a versão impressa, entre segunda e sexta-feira. O tempo médio de leitura é de uma hora e dez minutos por dia. Os mais lidos, segundo a pesquisa, são “O Globo” (8% de menções) e a “Folha de S.Paulo” (7%).

Cerca de 25% dos entrevistados afirmaram ler revistas. Quase metade dos leitores compram a revista na banca e 16% disseram ser assinantes. A versão impressa é a mais acessada. Tanto durante a semana, quanto aos sábados e domingos, a média de leitura é de cerca de uma hora e dez minutos por dia. O título mais lido é “Veja” (25% de menções). “Caras” (7%), “IstoÉ” (5%) e “Época” (5%) estão em segundo lugar.

Fonte

TEXTO 2

Fonte

Texto 3

O brasileiro e seu consumo de mídias
 

Quais são os hábitos que permeiam o comportamento do brasileiro em relação ao seu consumo de mídias? Quem passa mais horas perante a Tv ou o computador? As notícias da internet passam credibilidade ao brasileiro? O brasileiro costuma ler para se informar? Buscando conhecer melhor a população do país, a secretaria de comunicação social da presidência da república apresentou mais uma vez a Pesquisa Brasileira de  Mídia – Hábitos de consumo de mídia pela população brasileira.

A pesquisa é bastante abrangente e trata dos aspectos de consumo referentes à internet, tv, rádio, jornais, revistas, redes sociais e veículos públicos e estatais. O tratamento dos dados oferece resultados quantitativos a partir de parâmetros como idade, sexo, ocupação, escolaridade e região do país.

O estudo é curioso e muito útil. Revela dados importantes e confirma outros com mais clareza. Por exemplo: você sabia que praticamente metade dos brasileiros usa a internet e que, de forma geral, gastam em média cinco horas por dia com este hábito? E dentre os leitores de revistas, sabia que os estados do Piauí, Ceará e Maranhão sãos os maiores adeptos à leitura on-line? Sabia que o jornal, apesar de ser preferido por apenas 21% dos brasileiros, ainda é um meio fortemente escoltado por leitores do sexo masculino?

A pesquisa traz ainda indicações sobre as redes sociais mais usadas e o nível de confiança passado por cada meio midiático pesquisado. Confira o resultado e conheça mais sobre o perfil brasileiro de consumo de mídia clicando no link oficial da Secretaria de comunicação.

Fonte

Willian Afonso

Professor de idiomas, filosofia e redação.

18 thoughts to “Tema de Redação: Consequências dos hábitos de consumo de mídia pelos brasileiros”

  1. A ascensão da Terceira Revolução Industrial proporcionou diversos benefícios a sociedade, entre os quais se destaca o acesso a informação, entretanto contemporaneamente é notório o consumo excessivo das mídias, havendo muitas vezes a manipulação de informações, impactando desta forma na formação de opinião do cidadão e consequentemente de toda a sociedade.
    Em analógia com a teoria de Karl Marx assim como o capitalismo as mídias são controladas pelas elites, que muitas vezes utilizam estratégias que visam manipular opiniões, porém trata-se de um equívoco afirmar que a população deve reduzir seu contato com os meios de comunicação, pois o acesso a informação é um direito previsto no artigo 5 de Constituição Federal, além de ter papel fundamental na formação de um corpo social com senso crítico.
    Porém não deve-se ignorar a atual realidade, que engloba a alienação da população, que não questiona o que é transmitido facilitando assim a manipulação. Portanto é evidente que o progresso tecnológico providenciou benefícios mas também impasses, reafirmado desta forma a citação de George Bernard Shaw a qual diz que “A ciência nunca resolveu um problema sem criar pelo menps outros dez.”,porém com a adoção de medidas adequadas é posssivel solucionar estre empecilho, possibilitando assim a caminha rumo ao progresso.
    Desta forma para que seja possível formar uma sociedade mais crítica deve-se segui o ideal de Nelson Mandela, efetuando mudanças no setor mais poderoso o da “Educação”, cabe portanto ao Ministério Da Educação implantar em escolas palestras e atividades interativas que visem despertar em crianças e adolescentes uma visão crítica a fim de tornar estes menos vulneráveis a manipulação da mídia, tal medida deve ser aplicada em escolas públicas e privadas, disponibilizado a todos este benefício, colaborado assim para a formação de uma sociedade melhor, imuni a qualquer forma de controle ideológico e possibilitando a construção de um próspero futuro.

  2. Por meio do grande avanço tecnológico proporcionado pela Terceira Revolução Industrial iniciou-se à ascensão das mídias a qual superficialmente apresentava-se benéfica a sociedade, porém que devido a inúmeros fatores expõe consequências, às quais na atualidade encaminham o corpo social rumo à alienação.
    Em primeira análise é substancial a observação de fatos históricos entre os quais , o que afirma que desde o fim da Guerra Fria e da consolidação do modelo econômico Captalista a busca por lucro encontra-se desenfreada, tal fato resuta consequente na inegligência de muitas impresas, inclusive as informacionais , às quais de maneira errônea passam a transmitir conteúdos e informações pré selecionadas em prol do lucro , o que inaceitavelmente acaba ocasionando o desencadeamento da alienação populacional, a qual devido ao consumismo desenfreado das mídias e agravada imensurávelmente , de tal modo concretizace o dito por Jorge Orwel e as mídias controladas pela marca controlam a massa.
    De tal modo este impasse informacional remete indiretamente aos “Anos de chumbo” no qual as informações apresentavam se limitadas , tal censura condenada pela democracia , inadimicivelmete retorna camuflada pelas elites , sendo esta a responsável pelos prejuízos na formação do senso crítico dos povos. Visto a grandeza dos impasses ocasionados evidência-se a urgência da adoção de medidas que solucione este empecilho.
    Portanto é necessário que o Governo Federal em parceria com o Ministério da educação , proporcionem palestras que visem conscientizar a população sobre a importância de certificar-se sobre os fatos apresentados pelas mídias, esta medida deve beneficiar a todos, visto que tal problemática afeta o corpo social de forma generalizada , é essencial também a adoção de leis que criminalizem qualquer forma de manipulação de informação ,seja qual for sua finalidade, para que desta forma a população seja de fato livre, com a adoção de medidas como estas e a participação de todos é possível quebrar a corrente ideológica de Jorge, e libertar a massa do controle das mídias , afastando por fim o cadeado da alienação social.

    1. Tema: Consequências dos hábitos de consumo de mídia pelos brasileiros 

      Desde a Revolução Industrial, com o surgimento das indústrias e o aperfeiçoamento tecnológico, as pessoas vêm valorizando cada vez mais a tecnologia. Entretanto, os hábitos exacerbados de consumo de mídia no Brasil estão prejudicando, não só a vida social do indivíduo, mas também a pessoal. Nessa perspectiva, não há dúvidas de que esse costume exagerado é um desafio no Brasil; que ocorre devido a ausência de controle nessas práticas e o excesso de confiança em alguns meios informativos. 

      Primeiramente, informação é um dos fatores principais para um país em desenvolvimento. O Brasil disponibiliza diversos meios para esse consumo. Sendo assim, pode-se perceber que a TV e a internet é um dos mais importantes meios de acesso. Contudo, o cuidado com notícias falsas tem que ser tomada, pois o repasse de avisos com fontes desconhecidas são muitos. Com isso, muitas vezes ocorre mortes de pessoas inocentes, por causa de referências enganadoras.

      Outra preocupação constante,  é a falta de controle no consumo exagerado de mídia, como impulsionador de doenças mentais, pois o contato entre as pessoas diminui e a forma como elas se relacionam muda. Assim, contribuindo para uma série de doenças, como: ansiedade, depressão e entre outras. Além disso, a manipulação através das mesmas, contribui, também, para todos esses problemas.

      Infere-se, portanto, que ainda há soluções para esses problemas que visem a construção de um mundo melhor. Dessa maneira, a própria população poderia usar esses meios de forma benéfica, ou seja, pesquisar as fontes de determinadas notícias, antes de passar para alguém. E ver se realmente é seguro, assim, evitaria o famoso “Fake News”. As pessoas também deveriam ter controle e marcar o tempo certo para ver TV e acessar a internet, assim teriam mais tempo para o que realmente importa.

      1. Faltou mais clareza na hora de provar os argumentos. A conclusão do parágrafo argumentativo está desproporcional com a explicação. Faltou fonte no segundo desenvolvimento. Faltou detalhamento na proposta de intervenção. Nota: 640

  3. Mídia. Um material informativo que tem como responsabilidade passar a informação. A mídia é a principal ferramenta de informação desde sempre. Antigamente, os romanos, quando queriam anunciar um evento no coliseu, distribuíam panfletos pela comunidade, para noticiar o evento. Por mais que não existisse tecnologia naquela época, a mídia estava presente. Porém, havia notícias falsas ou manipuladoras como há até hoje. Por isso, é preciso se informar quanto a veracidade na informação. Como dizia Luis Fernando Verissimo: “Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data.”
    A mídia tem o poder de noticiar as pessoas sobre acontecimentos. Contudo, também pode manipular os usuários que acreditam no que vêem, sem procurar saber a verdade daquela versão e, muitas das vezes, transmitem a informação para outras pessoas, seja oralmente, virtualmente ou por meio de papéis informativos.
    Além disso, há a manipulação de crianças. Entre desenhos animados e jogos, novos brinquedos eram anunciados. Um mundo mágico, repleto de fantasia, despertava o desejo imediato por possuí-los. A ansiedade tomava conta da criança e, para manter a situação sob controle, os pais rapidamente efetivavam a compra. Isso ocorreu até o início de 2014, quando o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, o Conanda, proibiu as ações publicitárias para esse público. Contudo, não se extinguiu a relação entre mídia e infância, que passou a estabelecer novos contornos.
    Pode-se concluir que a mídia informa pessoas, mas, muitas vezes, manipula o usuário e/ou causa o consumismo. É necessário uma conscientização do problema causado por informações falsas, a fim de incentivar pessoas a se informarem melhor sobre o que vêem ou lêem. O governo pode ajudar, investindo em sistemas que não permitam que notícias falsas sejam divulgadas. A escola também pode ajudar, já que é responsável pelo conhecimento do aluno, a fim de ensina-lo a pesquisar mais, com trabalhos de pesquisa e afins. Somente assim, o jornal terá coisas mais verdadeiras que a própria data, quando todos souberem o que é falso ou não e cobrar.

  4. Desde a Revolução Industrial, com o surgimento das indústrias e o aperfeiçoamento tecnológico, as pessoas vêm valorizando cada vez mais a tecnologia. Entretanto, os hábitos exacerbados de consumo de mídia no Brasil estão prejudicando, não só a vida social do indivíduo, mas também a pessoal. Nessa perspectiva, não há dúvidas de que esse costume exagerado é um desafio no Brasil; que ocorre devido a ausência de controle nessas práticas e o excesso de confiança em alguns meios informativos.

    Primeiramente, a informação é um dos fatores principais para um país em desenvolvimento. O Brasil disponibiliza diversos meios para esse consumo. Sendo assim, pode-se perceber que a TV e a internet é um dos mais importantes meios de acesso. Contudo, o cuidado com notícias falsas tem que ser tomada, pois o repasse de avisos com fontes desconhecidas são muitos. Com isso, muitas vezes ocorre mortes de pessoas inocentes, por causa de referências enganadoras.

    Outra preocupação constante, é a falta de controle no consumo exagerado de mídia, como impulsionador de doenças mentais, pois o contato entre as pessoas diminui e a forma como elas se relacionam muda. Assim, contribuindo para uma série de doenças, como: ansiedade, depressão e entre outras. Além disso, a manipulação através das mesmas, contribui, também, para todos esses problemas.

    Infere-se, por tanto, que ainda há soluções para esses problemas que visem a construção de um mundo melhor. Dessa maneira, a própria população poderia usar esses meios de forma benéfica, ou seja, pesquisar as fontes de determinadas notícias, antes de passar para alguém. E ver se realmente é seguro, assim, evitaria o famoso “Fake News”. As pessoas também deveriam ter controle e marcar o tempo certo para ver TV e acessar a internet, assim teriam mais tempo para o que realmente importa.

  5. Desde o surgimento das primeiras civilizações, a necessidade de comunicação se tornou presente e necessária. O dia-a-dia do brasileiro é corrido, em qualquer estabelecimento que se vá nos dias de hoje há uma TV, assim se torna mais fácil sentar e assistir o que já foi programando do que ler um jornal, aonde tem que ler, interpretar e forçar a mente. E o brasileiro hoje busca por isso; facilidade, não é atoa que o celular fica em 2° lugar nessa pesquisa.
    Paulo Henrique Amorim, influente jornalista brasileiro, ao completar 50 anos de carreira escreveu o livro intitulado o “QUARTO PODER”, segundo ele a TV seria esse quarto poder. O mais preocupante é que muita das vezes a única fonte de informação de notícias dentro dos lar das pessoas é a televisão, resultando na moldagem do pensamento e das opiniões das mesmas. Surge então o período do “hiperinformacionismo”, ou seja uma hiper-realidade, partindo para o extraordinário da notícia qaundo sempre sem qualquer relevância, segundo Albert Camus: “começar a pensar écomeçar a ser atormentado”, coisa que o brasileiro quer se ver livre.
    Portanto, seria de grande melhoria ao brasileiro se o governo federal tivesse acesso às informações antes que fossem transmitidas aos telespectadores, sendo assim, despertar o senso crítico da população desde a infância nas escolhas é algo louvável, pois assim não seriam subordinados a qualquer noticiário e também; duvidar de tudo, pesquisar, se aprofundar, para ter certeza se aquela intimação é verídica ou é fake.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *